Sistema de Educação na Colômbia | Sistema Educación en Colombia

Sistema de Educação na Colômbia | Sistema Educación en Colombia

Esse tema está entre os principais assuntos nas rodas de conversa de quem chega do Brasil para viver na Colômbia: a escolha do Jardim ou do Colégio dos filhos, especialmente em Bogotá. 

Veja aqui como é o sistema de ensino na Colômbia, e dicas para encontrar a melhor opção para os seus filhos. 

....

Este tema está entre los principales asuntos en las ruedas de conversación de quien llega de Brasil para vivir en Colombia: la elección del Jardín o del Colegio de los hijos, especialmente en Bogotá.

Encuentra aquí información de como funciona el sistema de educación en Colombia, y tips para encontrar la mejor opción para tus hijos.

  • Sistema de Educação Colômbia | Educación Colombia

    Existe uma boa oferta de colégios entre todos os métodos de educação conhecidos, a escolha é sempre muito pessoal e de acordo com cada família: existem aqueles super acadêmicos, tradicionais, misto, feminino ou masculino (sim! Aqui existem essas opções), católico, laico, alternativo, bilíngüe (a maioria é bilíngüe desde a alfabetização e até em Jardins), trilingue, internacionais, com ênfase em artes ou esportes... Porém alguns detalhes devem ser observados de perto para o sucesso dessa escolha tão importante na vida das crianças:

     

    1. Localização:

    Existem colégios em diferentes zonas geográficas da cidade. A distância aqui não é o mais agravante e sim o complicado trânsito de Bogotá.

     

    Por esse motivo, a grande maioria das crianças necessita do transporte escolar (ou”rutas”) para sua locomoção, e isso é bem normal por aqui desde bem pequenos.

     

    É muito importante observar quanto tempo seu filho passará “em trânsito”, pois mesmo o colégio sendo próximo de casa é normal uma criança levar uma hora para ir e uma hora para voltar para casa. Muita atenção caso esse trajeto ultrapasse esse “limite”, para não se tornar excessivamente cansativo.

     

    2. Calendário:

    Diferente do Brasil, a maioria dos colégios da rede privada são Calendário B e a maioria dos colégios da rede pública são de Calendário A, todavia existem colégios da rede privada que utilizam o Calendário A. Conheça as diferenças entre eles:

     

    Sabemos que é exigido pelo Ministério da Educação uma quantidade de horas de ensino para cada etapa escolar, seja ela pré-escolar, primária ou secundária, e os colégios particulares tem autonomia para fazer alterações em seus calendários desde que cumpram o total de horas estabelecidas através dos Calendários A ou B.

     

    Calendário A, o mais parecido com o calendário do Brasil:

    • FINAL DE JANEIRO: INICIO DO ANO LETIVO.
    • JUNHO/JULHO (3 semanas ou um mês a depender do colégio): FÉRIAS.
    • MEADOS DE NOVEMBRO: ENCERRAMENTO DO ANO ESCOLAR.
    • DEZEMBRO: FÉRIAS FIM DE ANO.

     

    Calendário B:

    • MEADOS DE AGOSTO OU INÍCIO DE SETEMBRO: INÍCIO DO ANO LETIVO.
    • INÍCIO DE DEZEMBRO OU FINAL DE NOVEMBRO: FÉRIAS DE NATAL / ANO NOVO (1 mês ou um mês e meio).
    • MEADOS DE JUNHO:ENCERRAMENTO DO ANO ESCOLAR.
    • AGOSTO: FÉRIAS FIM DE ANO.

     

    Em ambos os calendários, na maioria dos colégios existe recesso de uma semana na Semana Santa e outro em Outubro.

     

    3. Processo de Admissão:

    Inicia-se muitas vezes até um ano antes de entrar no Colégio:

     

    Variam de colégio para colégio, podem ser pagos ou não e sempre em muitas etapas. Consiste em observação da criança, entrevista familiar, apresentação geral em auditório, exames, entre outros, a depender do colégio. Existem períodos específicos para o processo de admissão e demandam sempre muito tempo até que se tenha o “aceite” ou não por parte do colégio. Hoje, o que ocorre é que os colégios mais tradicionais tem uma demanda por vagas muito maior do que podem oferecer.

     

    A maioria dos “colégios grandes” iniciam com 4 anos, porém existem aqueles que recebem crianças com 3 anos. É necessário ter muita atenção as datas de nascimento e datas de corte dos colégios. Por aqui, uma criança que está saindo da fase pré-escolar para o “Colégio Grande” aplica para no mínimo 3 colégios esperando aprovação de ao menos um.

     

    Dica: Confira nos websites dos colégios de interesse as etapas do processo de admissão, assim como os custos do processo.

     

    4. Colégio regular, internacional ou colégio bilingue: 

    Para não confundir:

     

    COLÉGIOS NORMAIS OU REGULARES: Sistema colombiano (espanhol, inglês e pode oferecer um terceiro idioma).

     

    COLÉGIO BILINGUE: Sistema colombiano de ensino (espanhol e outro idioma com carga horária acentuada nesse segundo idioma em relação ao normal). O colégio bilíngüe não é necessariamente internacional.

     

    COLÉGIO INTERNACIONAL (IB): Seguem um sistema internacional de ensino. Além de serem bilíngues, em caso de mudança da família para outro país poderá encontrar um colégio internacional com equivalência de método e conteúdo para receber o aluno.

     

    5. Mensalidades e "bono":

    Alguns colégios de nível acadêmico superior e internacionais praticam a cobrança de “bono” que é um valor pago no ingresso do aluno que pode chegar até 30 milhões de pesos. Não são todos os colégios que ainda fazem essa cobrança que pode ser realizada de várias formas como pagamento antecipado ou doação, informe-se!

    ....

     

    Hay una buena oferta de colegios entre todos los métodos de educación conocidos, la elección es siempre muy personal y de acuerdo con cada familia: existen aquellos súper académicos, tradicionales, mixtos, femeninos o masculinos (sí, aquí hay esas opciones), católico, laico, alternativo, bilingüe (la mayoría es bilingüe desde la alfabetización y hasta en Jardines), trilingüe, con certificación internacional, con énfasis en artes o deportes... Pero algunos detalles deben ser observados de cerca para el éxito de esa elección tan importante en la vida de los niños:

     

    1. Ubicación:

    Hay colegios en diferentes zonas geográficas de la ciudad. La distancia aquí no es el más agravante y sí el complicado tránsito de Bogotá.

     

    Por eso, la gran mayoría de los niños necesitan el transporte escolar (o "rutas") para su locomoción, y eso es muy normal por aquí desde que son muy pequeños.